quarta-feira, 13 de julho de 2011

Era uma vez

A Ana lê muito devagar,
só uma letra de cada vez.
Enquanto ela está a só uma letrar
a Sara letra duas ou três.

A Ana tem tempo de lá chegar.
Os pês, os tês, os bês, os mês,
não fogem se ela se demorar.
A Sara quer acabar e começar outra vez.

A Ana lê e põe-se a pensar
nos quês, nos porquês, nos para quês,
e volta atrás para confirmar
porque, afinal de contas, talvez.

A Sara prefere entrar
nas palavras, nos desenhos, e ficar.
Existir no meio das histórias, em vez
de ver, viver; em vez

de pensar, de pausar, de perspicar,
ser ela a ser o que o herói fez.
Sai dos livros sem sair do lugar,
e corre o mundo de lés a lés.

A Sara lê assim, a Ana mais devagar,
e depois ficam as duas a conversar.
A Ana conta: "Era uma vez..."
E a Sara: "Era eu ema vez..."





poema de Manuel António Pina
in O pássaro da cabeça


ilustração de Selda Soganci

2 comentários: